quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Saliva ajuda na digestão, no hálito e na eliminação de bactérias da boca

Bem Estar desta quinta (1º) recebeu Ana Escobar e Caio Rosenthal.
Médicos falaram do papel do fluido na prevenção e detecção de doenças.


   A função da saliva não é só para avisar que chegou a hora de comer. Esse fluido corporal, produzido por três glândulas diferentes, ajuda na digestão, na eliminação de bactérias e na saúde bucal, prevenindo contra cáries e mau hálito.
   Para explicar por que a boca enche de água quando alguém está com fome e vê alimentos na frente ou apenas sente o cheiro deles, o Bem Estar desta quinta-feira (1º) convidou a pediatra Ana Escobar e o infectologista Caio Rosenthal.


   O aroma, a aparência e o gosto da comida provocam a liberação da saliva na boca, que chega pelo canal que sai das glândulas salivares. Isso ocorre porque o organismo se prepara antecipadamente para a digestão. Ao ver e sentir o cheiro dos alimentos, a pessoa estimula o cérebro, que por sua vez aciona as glândulas. Para ter uma produção saudável de saliva, é preciso manter uma higiene bucal adequada e frequente. Entre as principais doenças passadas pela saliva estão o resfriado, a hepatite A, a tuberculose, o citomegalovírus (um dos vírus do herpes) e a mononucleose, conhecida como "doença do beijo". O vírus da mononucleose (Epstein-Barr) não costuma ser grave e a faixa etária mais atingida vai de 12 a 17 anos, idade em que a garotada começa a beijar na boca. Os sintomas são febre, gânglios inchados, cansaço, dor de garganta e dor de cabeça. A doença não tem tratamento específico e em poucos dias a pessoa fica curada. A cor da língua também pode ser indício de algumas doenças (relacionadas ou não à saliva). A língua branca pode indicar anemia, e a língua "framboesa" (cheia de pontinhos avermelhados) pode apontar infecções. Diversos testes e exames podem ser feitos por meio da saliva. Eles são pouco usuais, mas podem detectar doenças endócrinas e até HIV, que não é transmitido pela saliva. Já existe até saliva artificial. Além de serem vendidos como produtos industrializados, os estimuladores podem ser manipulados em farmácias especializadas, sempre com a fórmula recomendada por dentistas ou médicos. A saliva artificial é vendida geralmente em forma de spray e pode ser borrifada na boca várias vezes por dia, proporcionando alívio instantâneo dos sintomas de boca seca (cujo nome científico é xerostomia). Esse problema é mais comum em idosos, pois o fluido fica mais espesso e em menor quantidade com o passar dos anos.