domingo, 25 de julho de 2010

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA CÉLULA


       Até meados dos século XVII, a organização dos organismos era estudada somente macroscopicamente, principalmente através da anatomia. No início no século XVII, o inglês Robert Hooke (1635-1703) desenvolve um aparelho denominado de microscópio, que permitiu a descrição da estrutura celular da cortiça, um tecido vegetal de revestimento. Em 1675, Leeuwenhoek aperfeiçoa o microscópio e descobre uma grande variedade de formas de vida unicelulares. Em 1824, Dutrochet conclui que todos os tecidos, animais e vegetais, são compostos por pequenas unidades, as células. Nos anos seguintes sucessivas descobertas levaram ao conhecimento das organelas celulares e a elaboração da Teoria celular.

A teoria celular afirma que:

* Todos os organismos são constituídos de células. (As células são componentes fundamentais de todos os organismos vivos do planeta Terra. Cada célula dá estrutura e funcionamento ao ser vivo do qual a célula faz parte).
* A célula é a unidade morfológica e fisiológica dos seres vivos. (A atividade de um organismo depende do funcionamento das células individual e coletivamente; a célula é a unidade através da qual a matéria e a energia são adquiridas, convertidas, reservadas e utilizadas e na qual a informação genética é armazenada, liberada e expressa).
* Toda célula é originada de outra célula preexistente. (A continuidade da vida tem base celular, a célula possui os mecanismos de transmissão da informação genética).

           Os seres multicelulares podem ser compreendidos como uma complexa "edificação" onde células semelhantes se agrupam formando tecidos, e estes, os órgãos. Os seres multicelulares são constituídos por diferentes tipos celulares, que diferem em tamanho, forma e função. Dois fatos notáveis sobre as células devem ser observados, primeiro é a diversidade de tipos celulares. O número de tipos celulares é muito grande. Em nosso corpo há mais de cem tipos celulares distintos. Os vegetais são constituídos de células diferentes das que constituem os animais. O segundo fato notável, é a similaridade. Cada célula é uma unidade completa diferente química e estruturalmente do seu ambiente e que possuem independentemente da sua função um plano estrutural básico, com um grande número de estruturas internas, as organelas, que são semelhantes ou iguais em muitos tipos celulares diferentes.

ESTRUTURA GERAL DAS CÉLULAS EUCARIONTES


Água: 70% do volume celular é composto por água, que dissolve e transporta materiais na célula e participa de inúmeras reações bioquímicas.

Sais minerais: São reguladores químicos.

Carboidratos: Compostos orgânicos formados por carbono, hidrogênio e oxigênio. Exemplos: monossacarídeos (glicose e frutose); dissacarídeos (sacarose, lactose e maltose); polissacarídeos (amido, glicogênio e celulose). Que tem a função de fornecer energia através das oxidações e participação em algumas estruturas celulares.

 
Lipídios: Compostos formados por carbono, hidrogênio e oxigênio; insolúveis em água e solúveis em éter, acetona e clorofórmio. Exemplos: lipídios simples (óleos, gorduras e cera) e lipídios complexos (fosfolipídios). Tem participação celular e fornecimento de energia através da oxidação.

Proteínas: Compostos formados por carbono, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio, que constituem polipeptídios (cadeias de aminoácidos). Exemplo: Albumina, globulina, hemoglobina etc. Sua função é na participação da estrutura celular, na defesa (anticorpos), no transporte de íons e moléculas e na catalisação de reações químicas.

Ácidos Nucléicos: Compostos constituídos por cadeias de nucleotídeos; cada nucleotídeo é formado por uma base nitrogenada (adenina, guanina, citosina, timina e uracila), um açúcar (ribose e desoxirribose) e um ácido fosfórico.

Ácido Desoxirribonucléico (DNA): Molécula em forma de hélice formada por duas cadeias complementares de nucleotídeos. O DNA é responsável pela transmissão hereditária das características.
 
Ácido Ribonucléico (RNA): Molécula formada por cadeia simples de nucleotídeos. O RNA controla a síntese de proteínas.
 
Trifosfato de Adenosina (ATP): Tipo especial de nucleotídeo, formado por adenina, ribose e três fosfatos. Tem a função de armazenar energia nas ligações.
 
Membrana Plasmática: É um envoltório que delimita a célula. Quimicamente, a membrana plasmática é composta de lipídios e proteínas Como resultado, a membrana é uma estrutura flexível, embora resistente, que permite à célula mudanças de forma e tamanho e regula a passagem de substâncias entre o interior da célula e o meio.

Citoplasma: Denomina-se citoplasma todo o conteúdo celular. O citoplasma é composto de um colóide aquoso (hialoplasma) no qual estão imersas as organelas celulares, enzimas, íons, aminoácidos, nucleotídeos, ácidos e estruturas onde ocorre a síntese de proteínas, os ribossomos.
 
Núcleo: Controla a síntese de proteínas no citoplasma. É ele que possui as informações genéticas. Dentro dele, esta localizado um ácido chamado DNA (ácido desoxirribonucléico). Este, formado por uma dupla hélice de nucleotídeos (formado por uma molécula de açúcar ligada a uma molécula de ácido fosfórico e uma base nitrogenada.
 
Reticulo Endoplasmático: Rede de túbulos e cisternas achatadas mergulhadas no citoplasma. Atua como transportador de substâncias. Há duas formas: O R.E. Liso, onde há a produção de lipídios, e o R.E. Rugoso, onde se encontram aderidos a sua superfície externa os ribossomos, sendo local de produção de proteínas, as quais serão transportadas internamente para o Complexo de Golgi.

Ribossomos: São o local da síntese protéica nas células. Podem estar livres no citoplasma ou aderidos à face externa das membranas do retículo endoplasmático.
 
Complexo de Golgi: São bolsas membranosas e achatadas, que podem armazenar e transformar substâncias que chegam via retículo endoplasmático; podem também eliminar substâncias produzidas pela célula, mas que irão atuar fora dela (enzimas por exemplo). Produzem ainda os lisossomos. O complexo de golgi funciona como um centro de seleção, empacotamento e endereçamento de proteínas.
 
Lisossomos: Estrutura que apresenta enzimas digestivas capazes de digerir um grande número de produtos orgânicos. Realiza a digestão intracelular. É importante nos glóbulos brancos e de modo geral para a célula já que digere as partes desta (autofagia) que serão substituídas por outras mais novas, o que ocorre com freqüência em nossas células.

Mitocôndria: Organela formada por duas membranas lipoprotéicas. No interior das mitocôndrias ocorre a fosfolorilação oxidativa (respiração celular), processo pelo qual são formadas moléculas de ATP (adenosina trifosfato). É o ATP que fornece energia necessária para as reações químicas celulares.

Peroxissomos: Certos processos químicos oxidativos, como a degradação de aminoácidos, produzem peróxido de hidrogênio (H2O2) que pode lesar os componentes celulares. Para proteger a célula há os peroxissomos, organelas que possuem a enzima catalase que catalisa a reação de degradação de moléculas de peróxido de hidrogênio em água e oxigênio molecular.

Citoesqueleto: Nas células eucariontes há uma rede tridimensional intracitoplasmática de proteínas fibrilares, o citoesqueleto. Esta estrutura conferem forma e rigidez à membrana plasmática e superfície celular. Além de dar forma às células, o citoesqueleto propicia movimento direcionado interno de organelas e possibilita o movimento da célula como um todo (ciclose).

Centríolos: Estruturas de forma cilíndrica compostas de microtúbulos protéicos. Os centríolos são centro organizador de microtúbulos na célula interfásica e na célula em divisão.