segunda-feira, 6 de agosto de 2012

A eterna briga sexual dos patos

   Os patos, com seu pênis em formato estranho, força a entrada. As patas, com astúcia, retorcem suas vagina.
   Seguramente você já ouviu algum homem se queixando do tamanho do seu órgão genital; com os Patos Barbary isto não é o problema. Eles possuem o pênis com 40 cm de comprimento - o que equivale quase a metade do comprimento do seu corpo - mas isso não é tudo quando se trata do relacionamento desta espécie que possui grandes reviravoltas entre o masculino e o feminino, um tentando superar o outro.
   Uma fêmea de pato Barbary escolhe seu companheiro com base na avaliação do seu namoro e na plumagem do parceiro, porém, os machos rejeitados não desistem facilmente e podem forçar a cópula, mesmo as fêmeas não querendo. O longo e flexível pênis permite a cópula forçada.
   As fêmeas têm evoluído para retomar o controle da cópula, diz Patrícia Brennan, da Universidade de Yale. "Os machos e as fêmeas ficam travados nesta corrida armamentista, cada um tentando dominar o resultado. É fascinante encontrar um exemplo tão claro e evidente de conflito sexual.", diz ela.
   O pênis do pato macho é em forma de espiral, como um saca-rolha, que ira em sentido anti-horário para que o esperma atinja o alvo do oviduto da fêmea no lado esquerdo. Em quase todas as aves, apenas o ovário esquerdo é funcional, mas em um estudo de 2007, Brennan e colegas observaram que as patas torcem a vagina na direção oposta.
   Para ver se estas voltas e mais voltas no sentido horário tornaria a cópula mais difícil para o gênero masculino, um grupo de pesquisadores conseguiu que os patos colocassem seu pênis em um tubo de vidro em forma de vagina de mulher. Os machos acharam difícil introduzirem o pênis abaixo do comprimento do tubo - que é o que a equipe avalia que acontece na vagina.


    Brennan acha que, os machos estão evoluindo e ficando muito flexíveis e o pênis os ajuda a forçar a cópulas. As fêmeas estão usando sua complexa anatomia vaginal para retomar o controle sobre a qual espermatozóide fertiliza seus óvulos. Quando uma fêmea quer se acasalar com seu parceiro escolhido, ela pode facilitar o processo de relaxamento da musculatura ao redor da entrada da vagina.
   Equipe de Brennan também cronometraram o desenrolar do pênis do macho, que aconteceu em um terço de um segundo - cerca de 60 vezes mais rápido do que se pensava anteriormente "Isso definitivamente dá ao sexo um mecanismo pelo qual eles podem copular", diz Brennan, que foi surpreendida pela velocidade. "Para ser totalmente honesta, ainda estou em choque", diz ela.