sábado, 28 de maio de 2011

REINO VEGETAL - 2° Fase


Introdução 
       O Reino Vegetal, conhecido cientificamente como Plantae, é formado por aproximadamente 300.000 espécies conhecidas, sendo que, entre elas, encontram-se muitos tipos de ervas, árvores, arbustos, plantas microscópicas, etc.
Composição
      Os organismos que compõem este reino são em sua grande maioria autotróficos, ou seja, seres cuja organização celular conta com os cloroplastos (organelas especializadas na produção de matéria orgânica a partir de matéria inorgânica, incluindo a energia solar). Suas células possuem uma parede celular formada por celulose.

      O reino Plantae, é composto por organismos capazes de produzirem o seu próprio alimento. Contudo, independente disso, eles possuem necessidades específicas de determinados nutrientes presentes somente no solo, como os sais minerais.


Fotossíntese

     Sua produção própria de alimento se dá através da realização da fotossíntese (processo pelo qual as plantas absorvem energia solar para produzirem sua própria energia). Isto ocorre através da ação da clorofila existente em seus cloroplastos.


Plantas parasitas
     Entretanto, há muitas espécies de plantas que não são capazes de produzir seu próprio alimento, por esta razão, elas agem de forma parasita, extraindo de outras plantas os nutrientes necessários para sua sobrevivência.



Importância das plantas
      As plantas são extremamente importantes para a continuidade da vida em nosso planeta, sem elas, os demais seres vivos da cadeia alimentar não seriam capazes de obter a energia necessária para sua sobrevivência.

     Elas são consideradas o primeiro elo da cadeia, pois sustentam todos os demais (animais, fungos, bactérias e protistas).

     Não fazem parte do Reino Plantae as algas castanhas, as algas vermelhas e vários organismos autotróficos unicelulares ou coloniais.


Classificação
      As plantas são organismos eucariontes (Células com núcleo individualizado e um rico sistema de membranas), multicelulares, autótrofos (qualidade do ser vivo de produzir seu próprio alimento), que realizam fotossíntese.
Existem 2 grandes grupos de plantas?

    Criptógamas: plantas que não produzem flores nem sementes. Ex: algas, musgos, samambaias;

    Fanerógamas: plantas que produzem flores e sementes. Ex: pinheiros, roseiras, coqueiros.

Dentre as criptógamas, podem-se considerar outros grupos menores, com base na organização do corpo:

  •     Talófitas: criptógamas cujo corpo é um talo, estrutura ñ diferenciada em raiz, caule e folha. São algas verdes, vermelhas e pardas; 

  •     Briófitas: criptógamas cujo o corpo pode-se apresentar diferenciado externamente em caule e folha, além de estruturas semelhantes a raízes, denominadas rizóide (estruturas uni ou multicelulares, com função de absorção). Ex: musgos e hepáticas: 

  •      Pteridófitas: criptógamas que possuem raiz, caule e folhas verdadeiros. Ex: samambaias e avencas 
       As talófitas e as briófitas ñ possuem vasos condutores de seiva. As pteridófitas e tds as fanerógamas possuem vasos, sendo, por isso, chamadas plantas vasculares ou traqueófitas. Nas briófitas, como ñ há tecidos condutores de seiva, ñ existem folhas e caules verdadeiros, pois nestes os vasos estão presentes. No entanto, externamente, verifica-se a formação de estruturas semelhantes a folhas e a caule; como ñ há vasos, muitos preferem adotar os termos filóides e caulóides. Aceitam-se como corretores os termos folha e caule em briófitas, considerando-se apenas a semelhança morfológica externa.

As fanerógamas são divididas em 2 grupos:
  •     Gimnospermas: fanerógamas cujas as ñ formam frutos. Suas sementes são “nuas”, ñ abrigadas no interior de frutos, vindo desse fato a denominação do grupo: gymnos = nu; spermae = sementes.  Essas plantas adaptam-se bem em regiões temperadas, onde formam grandes florestas, como as matas de aruacárias do sul do Brasil.Ex: pinheiros, cedros, ciprestes. 

  •     Angiospermas: fanerógamas cujas as flores femininas ou hermafroditas possuem ovário, que se desenvolve, dando origem aos frutos são as plantas mais conhecidas e abundantes, distribuem-se pelo mundo td, tanto em regiões temperadas como em tropicais.

No interior dos frutos estão abrigadas as sementes. A denominação do grupo baseia-se nesse fato: angios = uma; spermae = sementes.
Organografia vegetal

O corpo da maioria das plantas é dividido em duas partes principais: uma, localizada sob o solo, constituída pelas raízes, e outra, aérea, composta de caule, folhas, flores e frutos.

Raiz:
Órgão geralmente subterrâneo que fixa a planta ao solo, retira e distribui alimentos e funciona como órgão de reserva

Características gerais:
Corpo não segmentado em nós e entrenós, sem folhas, geralmente subterrâneas, com exceção das raízes aéreas, geralmente aclorofiladas, com exceção de orquídeas e aráceas (raízes aéreas) e com caliptra ou coifa e com pêlos radiculares.

Funções:
Fixação da planta ao solo, absorção da água e princípios minerais, condução das substâncias alimentares e reservas de alimentos, como a batata-doce, cenoura, etc, reserva e uso medicinal.

Partes da raiz

Caliptra ou coifa: região que reveste e protege o cone vegetativo da raiz. Tem como função proteger contra o atrito e a transpiração excessiva; protege, sobretudo, o tecido meristemático (tecido embrionário) da zona lisa.

Zona de elongação ou Zona lisa: Junto ao meristema radicular localiza-se a região onde ocorre o crescimento das células recém-formadas. Trata-se da zona de distensão, elongação ou zona lisa da raiz. Tem como função promover o crescimento da raiz, que é subterminal.

Zona pilífera ou dos pêlos absorventes: Após a zona de distensão há a zona pilífera. As células epidérmicas dessa região são dotadas de projeções finas e alongadas, os pêlos absorventes por meio dos quais a raiz absorve a maior parte da água e dos sais minerais de que necessita. Função: absorção.




Tipos de raiz

Raiz aérea: é a denominação genérica de qualquer raiz que cresça fora do solo ( ou da água, no caso de plantas aquáticas). Ex: plantas típicas do mangue, onde o solo é encharcado, mole e pobre em gás oxigênio

Raiz sugadora: adaptadas à extração de alimento de plantas hospedeiras, são características de plantas parasitas, como cipó-chumbo e a erva-de-passarinho.

Raiz tuberosa: são especializadas no armazenamento de reservas alimentares na forma de grão de amido. Esse tipo de raiz, presente em plantas como mandioca, a cenoura, a batata-doce etc, tem grande importância na alimentação humana.

Caule:
Órgão vegetativo, geralmente aéreo, que serve para produzir e suportar folhas, flores e frutos, para a circulação da seiva nutritiva, para armazenar reservas alimentares e, às vezes, para efetuar a propagação vegetativa.

Importância:
Sustentação de olhas, flores, etc, condução de substâncias alimentares, alimentar (reservas, açúcar, amido). Ex: batata-inglesa, industrial (borracha, corantes, resinas): lápis, móveis, gomas, comercial: madeiras e medicinal: gengibre

Características gerais:
Corpo dividido em nós e entrenós, presença de folhas e botões vegetativos, geralmente aclorofilados, geralmente aéreos e fototropismo positivo (aproximam-se da fonte luminosa).
Funções:
Produção e suporte de ramos, flores e frutos, condução da seiva (distribuição do alimento), crescimento e propagação vegetativa e às vezes, fotossíntese e reserva de alimentos.
Tipos de caule
Troncos: são caules geralmente ramificados na parte superior, encontrados na maioria das árvores e arbustos
Estipes: são caules geralmente não-ramificados, que apresentam fohlas na região superior. Esse tipo é característico das palmeiras e coqueiros
Colmos: são caules não-ramificados que apresentam, ao longo de sua extensão, divisões em forma de gomos. Os gomos podem ser ocos, como no bambu, ou cheios, como no milho ou na cana-de-açúcar.

Estrutura celular das plantas

Parede celulósica: Envoltório celular rígido que garante a proteção e a sustentação da planta nos diversos tecidos vegetais. Seu principal componente é a celulose, que dá rigidez a essa estrutura.
Plastos: Organelas citoplásmaticas que, quando apresentam o pigmento clorofila, absorvem a energia luminosa para a realização da fotossíntese e são assim chamados de cloroplasto. Quando não possuem pigmento, atuam no armazenamento de reservas nutritivas e recebem a denominação de leucoplastos.
Vacúolos: Bolsas membranosas que armazenam principalmente água, acúcares e sais minerais. Esse conteúdo denomina-se sulco celular.

Histologia vegetal: tecidos vegetais
Os tecidos vegetais são agrupamentos celulares que apresentam características e funções específicas na planta. Esses tecidos são basicamente classificados em embrionários ou meristemas e permanentes ou adultos.

Meristemas - tecidos embrionários: São tecidos que possuem células com intensa atividade mitótica.
Meristemas primários (alongamento da planta) são classificados em:

Protoderme: responsável pela formação da epiderme, o tecido de revestimento das partes jovens da planta.


Meristema fundamental: forma os tecidos fundamentais, como tecidos de preenchimento e sustentação.

Procâmbio: origina os tecidos condutores primários (xilema e floema primários)