terça-feira, 26 de outubro de 2010

Lista de espécies ameaçadas está crescendo e mais depressa

   Estudo com mais de 25 mil espécies de vertebrados mostrou que um quinto dos animais está ameaçado de extinção

No mapa, áreas mais escuras do globo representam as com maior espécies ameaçadas

    O número de espécies ameaçadas está crescendo e o planeta está perdendo biodiversidade ainda mais depressa do que antes. Foi o que constatou um grupo de pesquisadores que analisou dados de 25.780 espécies de vertebrados. Do total, um quinto está sob ameaça e a cada ano 52 espécies de mamíferos, pássaros e anfíbios se aproximam mais uma categoria da categoria de espécies ameaçadas, de acordo com dados da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês).
   A boa notícia é que o número poderia ser ainda pior se não fossem as medidas de conservação. Pesquisadores estipulam em 18% pior. O estudo foi apresentado hoje (26) na 10.ª Conferência das Partes (COP-10) da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) em Nagoya, no Japão e será publicado na próxima edição do periódico científico Science.
   “Nosso estudo mostra que os esforços de conservação não foram em vão, eles estão fazendo uma diferença notável. Sem esses esforços as perdas teriam sido ainda maiores”, disse por telefone ao iG Ana Rodrigues, do centro do Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS), na França, e que participou do estudo.
   Para Ana, o problema não são menores esforços para a conservação, “na verdade eles aumentaram”. A questão é o aumento das ameaças como perda de habitat, exploração das espécies, espécies invasoras, que também aumentaram.
   “O aumento da população mundial combinado com o aumento do consumo per capita, como o consumo de carne por exemplo, faz com que haja cada vez mais pressão sobre os ecossistemas naturais em geral e as florestas em particular, como na Amazônia”, diz.
   O pior lugar é o Sudeste Asiático. Ironicamente, as perdas estão relacionadas com a exploração do óleo de palma – usado na produção de biocombustível –, madeira, arroz e também na caça. Partes da América Central, Andes, Austrália também experimentaram a perda acentuada, em particular devido ao impacto do fungo mortal, chamado quitridiomicose, sobre anfíbios. A maioria dos casos é reversível, mas em 16% dos casos eles resultaram em extinção, afirmam pesquisadores.

Nem tudo é perda
   O estudo destaca 64 mamíferos, aves e anfíbios que tiveram o número de espécimes aumentado devido a medidas de conservação. Isto inclui três espécies que estavam extintas na natureza e já foram introduzidos novamente, como o condor da California (Gymnogyps californianus) e o furão (Mustela nigripes) e o cavalo selvagem (Equus ferus), na Mongólia.
   Os esforços de conservação têm sido bem sucedido, principalmente, em casos de combate à espécies exóticas invasoras em ilhas. A população do pássaro Copsychus sechellarum aumento de menos de 15 aves, em 1965, para 180, em 2006. Nas ilhas Maurício, outras seis recuperações de aves em estado crítico, inclusive o falcão maurício (Falco punctatu) cuja população aumentou de apenas quatro aves, em 1974, para quase mil.
   No Brasil, as boas histórias ficam por conta da recuperação do mico-leão-dourado (Leontopithecus Rosália), Papagaio-de-cara-roxa (Amazona brasiliensis), Mutum-do-sudeste (Crax blumenbachii) e a Arara-azul-de-lear (Anodorhynchus leari).
   Ana antecipa estudo que ainda precisa ser finalizado e publicado, em que dados são apresentados por país. “O Brasil é a grande estrela. Quanto mais se tem mais se tem a perder e o Brasil está conseguindo preservar suas espécies”.